SIMPI quer que fundo de aval chegue aos micros e pequenos

59 / 100 SEO Score

Para aumentar a capilaridade de crédito aos micros e pequenos, João Laino, do SIMPI, propõe uso do Banco de Fomento Desenvolve MT. De olho na ajuda que o governo federal prepara para os pequenos negócios por meio da Medida Provisória 932 e, preocupado com a manutenção dos empregos e da capacidade plena de produção, o presidente do Sindicato da Micro e Pequenas Indústria, Comercio e Serviços de Mato Grosso, João Carlos Laino enviou correspondências ao governador Mauro Mendes e ao superintendente do Sebrae Mato Grosso, José Guilherme Barbosa, sugerindo alternativas para ampliar o Fundo de Aval que será oferecido pelo Sebrae, nos próximos três meses. A medida provisória 932, que corta 50% das contribuições ao Sistema “S” por três meses, determina que o Sebrae repasse até junho para o Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (FAMPE) ao menos metade do que recebe com a arrecadação do adicional de 0,3% cobrado sobre as alíquotas do Sistema S, e que hoje tem diversas destinações. O FAMPE fornece garantias a empréstimos bancários tomados por pequenos empreendedores e, com isso, permite um aumento nas operações de microcrédito com taxas mais baixas, maior prazo e melhor período de carência. O Fundo atende as exigências das instituições financeiras para conceder operações de crédito e pode alavancar empréstimos no valor de 8 a 12 vezes o patrimônio do tomador. Segundo João Laino, “o grande problema dos micros e pequenos são as excessivas barreiras que os bancos colocam quando se busca empréstimo, quanto à exigência de garantias. Em países que fomentam o empreendedorismo, esse tipo de aval é comum. Se tivermos o aval e ficarmos sem esse problema do fiador, resolve-se 80% do problema da falta de capital de giro, E, capital de giro é emprego na veia”, observa Laino. Ao governo estadual, o SIMPI sugeriu que se firme convênio com o Sebrae, por meio do qual poderá disponibilizar recursos do Fundo de Desenvolvimento da Indústria e Comércio de Mato Grosso (FUNDEIC), para ajudar na composição do FAMPE.

Já ao Sebrae local, no ofício ao superintendente José Guilherme Barbosa, o presidente do SIMPI propõe um convênio com O Governo do Estado/Desenvolve MT para que o microcrédito também seja garantido pelo FAMPE e algumas exigências sejam afastadas, como por exemplo a necessidade do avalista/fiador.

Compartilhe: