Empresários da Micro e Pequena Indústria estão otimistas

Empresários da micro e pequena indústria começaram o ano mais otimistas, com forte incremento no percentual daqueles que acreditam que a situação econômica do país vai melhorar, apesar de relativa estabilidade em indicadores como faturamento, lucro, investimento e geração de vagas de trabalho. Para o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (SIMPI), as expectativas positivas são puxadas pela esperança de que a queda dos juros chegue à ponta, aquecendo à economia. Mas segundo Joseph Couri, presidente da entidade, trata-se de um otimismo cauteloso, diante da demanda interna ainda restrita e da possibilidade das projeções de crescimento para este ano não se confirmarem. Conforme o Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, encomendado pelo SIMPI ao Datafolha, o índice de expectativa do segmento saltou de 146 pontos em dezembro de 2019 para 167 pontos em janeiro de 2020, voltando ao maior patamar desde fevereiro do ano passado (167 pontos).

No primeiro mês do ano, o percentual de empresários que acreditavam que a economia do país vai melhorar nos próximos três meses chegou a 67%, ante 53% em dezembro. Aqueles que acham que as coisas ficarão iguais diminuíram de 35% para 26% e os que pensam que a situação vai piorar foram de 10% para 5%. “No começo do ano passado, o aumento do otimismo foi puxado pelas eleições, com as expectativas em relação ao novo governo e à mudança da política econômica” , diz Couri, lembrando que essas expectativas se frustraram e o indicador voltou a cair ao longo do ano, chegando a uma mínima de 139 pontos em junho. Segundo o representante, a liberação dos saques do FGTS e do PIS e a redução do endividamento das famílias com habitação, que liberou recursos para outros gastos no ano passado, contribuíram para uma recuperação do otimismo.

A isso se soma agora a expectativa com relação à queda de juros. “As pessoas estão esperançosas que, com essa queda de juros, se chegar na ponta e quando ela chegar, poderá aquecer a economia.” O executivo destaca que, apesar da satisfação dos empresários com relação ao próprio faturamento ter ficado praticamente estável na passagem de dezembro a janeiro, ela subiu 12 pontos percentuais em na comparação com janeiro de 2019, para 43% de dirigentes que consideravam seu faturamento ótimo ou bom no mês anterior. Já a intenção de contratar no próximo mês oscilou de 19% a 21% na passagem de dezembro a janeiro para micro e pequenas em geral. Mas, considerando apenas os pequenos empresários, ela passou de 27% para 38%.

A pesquisa do SIMPI realizou 305 entrevistas, sendo 195 com microempresas, com até nove funcionários, e 110 pequenas indústrias, com 10 a 50 empregados. A margem de erro é de seis pontos percentuais, para um intervalo de confiança de 95%.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe: