Crise do Corona vírus chegou forte na pequena empresa

57 / 100

para passar pela crise do Corona vírus. Com menos canais de financiamento que as médias e grandes empresas, as MPIs estão mais suscetíveis a problemas de liquidez em um cenário de crise de oferta e demanda como o atual.  Em fevereiro, cerca de 40% dessas empresas não tinham recursos suficientes para suprir suas necessidades, segundo pesquisa do SIMPI, e esse percentual vai aumentar, afirma Joseph Couri, presidente da Associação Nacional das MPI”s  e do SIMPI SP. As micro e pequenas empresas já relatam interrupções no fornecimento de matérias-primas que vêm da Ásia e também uma demanda aquém da esperada. “Com esses problemas, as micro e pequenas fatalmente terão problemas de liquidez, e precisarão de crédito com mais prazo e melhores condições”. Couri diz ainda que iniciativas como as do governo do Estado de São Paulo, que liberou R$ 225 milhões por meio do Banco do Povo e da Desenvolve SP, e da Caixa, que anunciou R$ 75 bilhões para capital de giro vão na direção certa, mas não é suficiente. Demonstrando preocupação com a capacidade das empresas de menor porte para atravessar a fase de queda nas atividades por causa do Corona vírus, Joseph Couri, diz que o governo deveria fornecer crédito e prazo maior no pagamento de impostos. “Uma empresa com funcionários contaminados vai precisar parar. A concessionária vai negociar antes de cortar a luz? O sistema financeiro vai dar prazo? E depois, como ter dinheiro para voltar às atividades?”, afirma Couri. E complementa, “é preciso ter medidas realmente direcionadas a quem mais precisa, com taxas de juros mais baixas nos empréstimos. De acordo com a mais recente pesquisa do SIMPI, a alta taxa de juros é historicamente um impeditivo para as micro e pequenas. A falta de linhas adequadas ao tamanho do negócio tem sido a segunda principal dificuldade. O presidente do SIMPI diz que a entidade ainda não tem um levantamento da proporção do setor atingida. A previsão da volta ao normal no fornecimento de insumos é de 60 a 90 dias.

Compartilhe: